Esterline Connection Technologies - SOURIAU investe maciçamente em P & D para a implantação de seus novos processos de fabricação

2018-12-04
O regulamento europeu REACH (Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemicals), que visa assegurar um elevado nível de proteção à saúde humana e ao ambiente, impõe regras restritas à utilização de substâncias químicas. O cromo hexavalente utilizado no tratamento de superfície de inúmeros produtos SOURIAU é uma das substâncias proibidas. Com o objetivo de manter sua liderança técnica em conectores para ambientes adversos e de continuar a inovar junto com seus clientes, o departamento de pesquisa e desenvolvimento da SOURIAU tem investido por vários anos na pesquisa de novos processos de fabricação. Quando concluídas, devem permitir à SOURIAU cumprir os regulamentos impostos pelo REACH e, ao mesmo tempo, salvaguardar o emprego do seu pessoal na França para o futuro. Entrevista com THOMAS PICHOT, gerente da Unidade de P & D Aeronáutica.

Você poderia descrever o uso do cromo hexavalente em sua indústria?
TP: Projetamos e fabricamos conectores elétricos ou ópticos usados em ambientes severos, para aplicações aeroespaciais, aeronáuticas, militares e industriais. Os invólucros e os acessórios de nossos conectores são feitos de materiais compósitos, alumínio ou aço, e usamos o cromo hexavalente por décadas em nosso processo de galvanoplastia. Essa substância é usada para dar aos nossos produtos as propriedades anticorrosivas, a continuidade elétrica e a aparência que nossos clientes desejam. Como o cromo hexavalente está na lista de substâncias químicas proibidas, estamos trabalhando para substituí-lo.

É possível substituir um produto por outro?

TP: Sim, claro, mas leva tempo. Na verdade, não é apenas o domínio perfeito do uso de cromo hexavalente no tratamento de diferentes materiais, como alumínio, ligas de cobre ou até certos termoplásticos, mas as propriedades desses produtos ainda são muito superiores ao que é possível alcançar com outras substâncias. Então a dificuldade é dupla; ter certeza de que é possível implantar o substituto em escala industrial, e isso que nos permita obter o desempenho necessário.

Por exemplo, em certos casos, usamos cromo hexavalente para facilitar a aderência a outros revestimentos no material de suporte. Portanto, teremos que qualificar um produto que ofereça as mesmas características funcionais e, ao mesmo tempo, nos permita incorporá-lo de maneira controlada em nossos procedimentos de fabricação. Finalmente, devemos ter em mente que, em outros casos, o cromo hexavalente é usado nos estágios finais do processo e, portanto, persiste na superfície. Se os substituirmos, temos que nos certificar de que os novos conectores são compatíveis com os conectores já em campo, porque eles podem estar em contato uns com os outros.

É possível, mas é um desafio muito complexo, você concorda?
TP: Na verdade, a partir de agora não temos apenas uma solução de substituição, porque o cromo nem sempre é usado para o mesmo propósito; depende dos materiais e do tratamento final. Nossa abordagem tem sido categorizar nossos componentes de conector de acordo com seu material, identificar os mecanismos eletroquímicos em jogo e realizar um grande número de testes em diferentes estágios do banho até a linha de produção piloto, orientando nossa pesquisa em direção a várias soluções.

Então, qual é o status atual da sua pesquisa?
TP: Não usamos mais o cromo hexavalente no tratamento de invólucros compósitos. Em primeiro lugar, realizamos um processo de granalhagem para modificar as propriedades da superfície e permitir que nosso novo tratamento de preparação (livre de cromo hexavalente) facilite a aderência dos sucessivos revestimentos metálicos. Para conectores de alumínio, também eliminamos a passivação com cromo hexavalente em nosso processo de tratamento de zinco-níquel enquanto desenvolvemos um novo procedimento usando uma substância certificada e autorizada pelo REACH como não perigosa. Assim, reduzimos nosso consumo anual de metade de cromo hexavalente, de oito para quatro toneladas.

Foi uma transição fácil?
TP: Obviamente não foi. Levamos vários anos para colocar esse novo "edifício tecnológico" no lugar e validá-lo, porque não se trata apenas de validar um conceito em laboratório, ele deve ser reproduzido em escala e por um longo período. Em alguns aspectos, é preciso acumular experiência. Tomemos por exemplo banhos de galvanoplastia que contêm até várias centenas de litros. Sua composição e perfeito domínio do processo resultam da experiência em diversos aspectos: o tempo de imersão e as concentrações dos diferentes produtos devem ser validados. Temos que ter certeza de que não há impacto na geometria das peças e monitorar o envelhecimento dos banhos para garantir a qualidade do tratamento, etc. Dezenas de parâmetros devem ser levadas em consideração, analisados e masterizados.

Qual é o status do cromo hexavalente para conectores cromados com cádmio?
TP: Atualmente, apenas a passivação de cromo hexavalente pode garantir alta resistência à corrosão e excelente condutividade elétrica, ao mesmo tempo em que retém as aparências não refletivas e escuras que ainda são características essenciais dos produtos militares. Uma das soluções desenvolvidas como alternativa à deposição de cádmio é baseada em um tratamento de zinco-níquel com passivação hexavalente livre de cromo. Isto faz ser possível ter produtos acabados que oferecem excelentes características, garantindo a total compatibilidade com o equipamento já instalado. No entanto, esta solução não necessariamente será a correta em todos os casos. Continuamos a utilizar o crómio hexavalente em produtos cromados com cádmio para satisfazer determinados requisitos do cliente ou para atingir mercados fora da Europa onde o regulamento não se aplica e onde, no entanto, temos de permanecer competitivos. Obtivemos uma isenção da Agência Europeia de Produtos Químicos por 12 anos, que estamos usando para continuar nossa pesquisa e, ao mesmo tempo, estamos analisando as técnicas usadas em outras indústrias, como a indústria automobilística, por exemplo. Nosso objetivo final é naturalmente eliminar completamente o cromo hexavalente de todos os nossos processos de fabricação.

O processo de eliminação progressiva do cromo hexavalente parece estar bem encaminhado...
TP: Assim que o regulamento europeu REACH foi implementado, a gerência da SOURIAU ESTERLINE e toda a equipe perceberam que tínhamos que lançar um grande programa para inovar nossa tecnologia de tratamento de superfície para que pudéssemos manter a produção de nossos conectores na França. É um grande esforço em termos de investimento e isso também fortaleceu a cooperação entre nossas equipes e nossos clientes. Nosso desejo de demonstrar nossa capacidade de inovação, encontrando soluções de substituição para o cromo hexavalente, está fortalecendo nossa experiência e alavancando nosso know-how. Nossos clientes estão nos apoiando nessa tarefa; eles sabem que estamos no caminho certo para o futuro. Temos que proteger a saúde humana e o meio ambiente.